sexta-feira, 3 de julho de 2009

Switzerland and flowers

Estou em Lugano, na Suiça desde ontem, quarta-feira, dia 1 de julho, e é a primeira vez na vida que tenho a impressão de estar vivendo num cartão postal! Mais ainda porque é verão e tudo está coberto de flores, muito verde exuberante e de azul, seja no céu, seja no grande lago da cidade. A Comunidade tem uma casa de estudos aqui onde irmãos, seminaristas e não seminaristas, entre estes, homens e mulheres, vêm fazer filosofia e teologia, como bolsistas. A faculdade é um sonho! Me reacende a vontade de voltar a estudar, principalmente para poder voltar a dar aula, um dia. O mundo universitàrio me inquieta e atrai porque é na idade que se entra na faculdade que os jovens tomam as decisões mais definitivas de suas vidas e, infelizmente, hoje em dia, cada vez mais acentuadamente, nao se questiona ou ensina valores aos jovens. Eles engolem informações mas não são ensinados a pensar, a ter critérios filosóficos humanistas, verdadeiramente católicos e desafiadores, no que tange a qualquer area do conhecimento. Os jovens acabam enveredando por ideologias e seitas vazias e ilusórias, muitas vezes fortes como no caso do marxismo, como aconteceu no tempo que estudei história, que os afastam de Deus e de Jesus Cristo. Sei que papel um bom professor pode ter... Com relação ao meu futuro tudo está nas maos de Deus e o que mais importa é a Sua vontade se manifestar quando Ele quiser.

A manifestação da vontade de Deus também diz respeito ao resultado da perícia médica feita em Roma, ontem, na tentativa de renovação do meu auxílio doença. Foi uma daquelas experiências únicas que, diria a minha mãe, só acontecem na minha vida: um doutor e uma doutora, sendo ele oncologista, que por uma hora me sabatinaram a respeito do sistema médico público brasileiro e fizeram um relatório médico minucioso sobre minha saúde, e que no fim, por causa do testemunho e da partilha que fiz, acabaram sendo tambem evangelizados, de certa maneira. O mais justo seria dizer fizemos pois tudo isso nao teria sido possível se eu nao tivesse contado com a preciosa presenca da Maria, missionária da Aliança há 9 anos na Itália que, com sua simpatia e língua italiana perfeitamente falada, explicou tudo e me salvou no meu pouquisimo italiano fluente. Saí de lá com a sensação de missão cumprida em ambos sentidos: fiz o que estava ao meu alcance, responsavelmente, na busca de um direito legal de licença e possível aposentadoria, sem perder a chance de falar e testemunhar a respeito desta realidade nova, leiga, missionária, viva, amante de Deus e da Igreja, que vive para a evangelização e o testemunho de que Jesus Cristo está vivo e é Deus. E foi isso que fizemos Maria e eu como consagradas da Comunidade, espontaneamente, para os médicos. Eles ficaram bastante interessados e no final, entre abraços de boa sorte, sorrisos e vamos-torcer-e-fazer-o-possível-para-tudo-dar-certo, anotaram os endereços do Shalom em Roma. Também combinaram de se encontrar com a Maria para num evento cultural de música e arte cristã no qual o Shalom faz parte e faz bonito...

O Espirito Santo é incrível e se serve até de nossas erisipelas e linfedemas, sem contar da fraternidade - te agradeço de coração Maria! - para fazer transbordar a sua presença e o toque do seu amor.

Estou encantada e grata com esta semana inesperada de férias que o Senhor me proporciona ja que não pude ir para Tiberíades. Termina um ciclo de missão e começa outro. Bendito seja Deus! Nao vejo a hora de rever os irmão e baixar todas as fotos que tirei! A turma do blog vai gostar.

Um comentário:

Rilene disse...

Senti vontade de transferir meu curso de teologia para esta faculdade de cartão postal.